5 de setembro de 2007

Metafísica da Saúde

"Quem já não ouviu falar sobre as doenças psicossomáticas? Mas, como se dá a transposição da enfermidade corpo físico? Essa é a chave para a verdadeira saúde."
(Valcapelli)



A condição interna do ser humano é um fator determinante para a saúde do corpo. Quando esse é afetado por alguma doença, sem dúvida existe algum conflito desestabilizando o quadro emocional da pessoa. As pesquisas sobre a causa metafísica das doenças objetivam exatamente a compreensão da origem dos males físicos, possibilitando ao doente um recurso de auto ajuda. E tudo isso segue paralelo ao tratamento clínico, indispensável para a breve recuperação do organismo afetado pela doença.
Apesar das pesquisas metafísicas não serem de cunho científico, elas têm sido recebido com grande simpatia por muitos profissionais da área de saúde, pois abordam fatos facilmente observados em seus consultórios, durante o contato com os enfermos. Muitos médicos, além de simplesmente diagnosticar doenças, mantêm uma boa relação médico-paciente. Esse procedimento é de máxima importância. Não basta conhecer o histórico físico da pessoa - também é necessário tratá-la com humildade, reconhecendo as angústias e medos que a doença pode desencadear naquele ser. O médico que adota essa conduta é benquisto pelos pacientes, e tal procedimento conta muito na hora de escolher com qual profissional a pessoa irá se tratar. Essa atitude por parte do médico acaba ajudando o paciente a entrar em contato com suas emoções para identificar as principais dificuldades, medos e receios que criam uma espécie de ressonância com certos males físicos. O médico pode inclusive averiguar a veracidade de suas descobertas sobre a condição emocional que provoca a somatização da doença no corpo.

Os estudos acerca do emocional desencadeador dos males físicos não põem a baixo os caminhos orgânicos das doenças; apenas acrescenta, desvendando a condição interna do doente. E nem tampouco descarta a necessidade de tratar o órgão adoecido. É importante observar que, quando existe a somatização no físico, há a necessidade da ação medicamentosa ministrada pelos médicos.As descobertas sobre a causa metafísica das doenças representam um recurso a mais para sanar o mal do corpo por meio da reformulação interior - afinal, o maior aval das causas metafísicas das doenças é dado pelas próprias pessoas que apresentam os sintomas, pois eles revelam os conflitos e dificuldades com que elas freqüentemente se deparam na vida cotidiana.
Como pesquisador metafísico, tenho investido toda minha atenção na descoberta das origens metafísicas dos problemas que afetam o corpo. Venho realizando esse trabalho há mais de seis anos, ministrando cursos sobre este tema e dando orientações em meu programa semanal na Rádio Mundial FM (95,7, todas as quartas-feiras, das 9 às 10 da manhã). Minhas orientações sobre as doenças e a necessidade do paciente realizar um trabalho interior têm sido praticadas por aqueles que me solicitam e os resultados têm sido surpreendentes. O sucesso desse trabalho deve-se à grande verdade contida naquilo que é apontado para as pessoas, pois atinge o principal foco de conflito vivenciado em suas vidas. Já lancei o primeiro volume de uma obra elaborada com o objetivo de explicar a causa metafísica das principais enfermidades que afetam os órgãos do corpo. O livro foi publicado em parceria com Luiz Antonio Gasparetto, intitulado Metafísica da Saúde (Editora Vida & Consciência).



.
Por que adoecemos?
.
A doença é um processo orgânico que se instala em corpos debilitados. Por exemplo: uma infecção provocada por agentes transmissores. Os mecanismos que desencadeiam as moléstias são devidamente traçados pela medicina, mas existe uma grande margem para o questinamento: por que muitas pessoas têm contato com o mesmo vírus e só algumas são contagiadas? A vulnerabilidade do sistema imunológico, que permite a proliferação dos agentes invasores, ocorre devido a uma condição interna desestabilizada. Cada distúrbio orgânico decorre de um conflito emocional, que a metafísica da saúde aponta com precisão, compreendendo, portanto, o que está acontecendo com a pessoa para seu corpo adoecer.
O corpo não altera seu metabolismo ou apresenta fragilidade de um órgão de maneira aleatória - tudo ocorre devido a uma condição conflitante do ser que habita o organismo. Nós todos somos individualidades manifestando-se na esfera física, animando um corpo com muitos órgãos e uma infinidade de funções biológicas. A metafísica da saúde tem como principal objetivo identificar os conflitos que desencadearam determinado mal físico. É importante compreender que cada pessoa é uma individualidade à parte, mas somos muito parecidos nas dificuldades e conflitos que enfrentamos.
Cada um de nós está vivenciando situações que visam desenvolver os potenciais do nosso ser. Muitos apresentam conflitos entre a vontade de realizar ou não alguma coisa, ou mesmo de expressar seus medos, insegurança, incertezas etc. Geralmente isso ocorre devido pela falta de autovalorização, pela baixa estima, pela negação de si próprio no meio em que habita. As pessoas sufocam suas vontades, mas não as perdem. Pode-se dizer que, mesmo não realizando o que gostariam, elas continuam sentindo o desejo, e este permanece tão reprimido que nem elas mesmas se dão conta de sua existência. O mesmo ocorre com os potenciais latentes no ser: eles podem ser reprimidos, mas nunca os perdemos.

O fato de continuar existindo um foco de vontade gera impulsos que mobilizam a bioenergia do corpo para sua manifestação. Esse processo é interrompido pelos bloqueios estabelecidos no universo psicológico e cria os conflitos que, metafisicamente, são o foco desencadeador das doenças no corpo. Em resumo esse processo interno provoca os distúrbios fisiológicos no corpo e é a causa metafísica das doenças.

.
Visão holística
.
A metafísica compreende o ser como um todo. A alma mobiliza os fenômenos psíquicos e do inconsciente brotam as emoções. Portanto, não se pode conceber que o foco do conflito seja puramente psicológico. As repressões estabelecidas por conceitos e valores absorvidos durante a vida não são a principal causa dos males físicos, mas sim os sentimentos nocivos que as pessoas cultivam em seu interior, como mágoas, ressentimentos, etc. Existem ainda as condições de autodepreciação, como falta de amor próprio, etc. Essas posturas internas desencadeiam mecanismos psicológicos e figuram entre as principais causas dos males orgânicos. A metafísica da saúde oferece uma visão holística dos mecanismos psicossomáticos. O corpo é o veículo de manifestação do ser e o referencial de expressão dos potenciais da alma. Cada parte do corpo reflete um conteúdo espiritual. Quando preservamos essas condições internas nós mantemos a saúde.

http://www.valcapelli.com/pgmaterias/metafisica.htm

24 de agosto de 2007

O Fígado na Medicina Tradicional Chinesa


Fígado, o Aplanador das Emoções
Quando falamos no fígado, do ponto de vista energético, estamos falando do fígado propriamente, da vesícula biliar, dos olhos, dos ombros, dos joelhos, dos tendões, das unhas, dos seios, e todo o aparelho reprodutor feminino, desde ovários, trompas, útero e vagina. Por esse motivo, na MTC se diz que o fígado é o órgão mais importante para a mulher, assim como o rim é para o homem.
A energia do fígado é responsável por manter o livre fluxo da energia total do corpo. Como o movimento do sangue segue o movimento da energia, dizemos que o fígado direciona a circulação do sangue e regula também o ciclo menstrual. Mas o papel mais importante, sem dúvida é sobre o equilíbrio emocional, é a energia do fígado quem vai nos fazer responder a todos os estímulos emocionais, 24 horas por dia sem parar; daí já se deduz o desgaste intenso ao qual é submetido este sistema, e pouquíssimas atitudes são tomadas para auxiliar o fígado nesta tarefa, pelo contrário a nossa cultura parece fazer tudo para impedir o equilíbrio. Como todas as emoções boas ou más passam pelo fígado, não devemos reprimi-las a todo momento. A repressão das emoções provoca um bloqueio da energia que vai levar à formação de calor no fígado. Este desequilíbrio energético pode se manifestar de várias formas. Dependendo da sua localização, podemos ter uma insônia, uma enxaqueca, uma precordialgia, uma hipertensão, uma gastrite, uma tensão pré menstrual, e por aí vai.
Os adoecimentos podem ser de dois tipos, por falta ou por excesso de energia, ou usando um termo mais técnico, por vazio ou plenitude. Em relação às emoções que lesam mais especificamente o fígado vamos ter, num quadro de plenitude, a raiva, mais exatamente a raiva reprimida e, num quadro de vazio, o pânico, que agora virou síndrome de pânico.
Cabe aqui fazermos uma distinção entre sentimento e emoção. Os sentimentos geralmente fortalecem os órgãos e servem como mecanismos de defesa para o nosso organismo. Por exemplo, uma sensação de apreensão é diferente do medo. A primeira nos coloca num estado de alerta diante de uma certa situação, sem nos limitar em nada, nos protegendo dos perigos. O medo por sua vez nos limita e nos paralisa. A mesma coisa em relação a uma certa irritação que nos leva a reagir quando somos atacados ou nos sentimos lesados, que é diferente da raiva que tem um grau mais intenso. O importante é entender que todos os sentimentos atuam bem no organismo, tudo depende da intensidade e por quanto tempo. Da mesma forma que o sal, o orégano e a pimenta são temperos usados na alimentação, os sentimentos são o tempero da nossa existência. A qualidade de nossa vida dependerá da quantidade e da forma com que serão usados.
Como já foi dito, o fígado rege praticamente todo o sistema reprodutor feminino e é responsável por alterações no seu funcionamento que vão desde alterações no ciclo menstrual, os cistos de ovário, miomas uterinos, corrimentos vaginais, prurido vaginal, alterações da libido, como frigidez e impotência. Em algumas doenças só a energia do fígado está em desarmonia, e em outras existe também desequilíbrio de outros órgãos.
O fígado rege as articulações do ombro e joelhos e também os tendões de modo geral. Assim sendo, as bursites e as dores nos joelhos sem causa aparente, são sinais de comprometimento da energia do fígado. As tendinites e os estiramentos freqüentes também estão neste grupo.
Os olhos são a manifestação externa do fígado, e suas patologias também vão nos indicar algumas alterações no fígado, as mais comuns são as conjuntivites, os olhos vermelhos sem processo inflamatório, os terçóis, os pontos brilhantes que aparecem no campo visual e outros.
As unhas são outra manifestação externa das condições do fígado, e as suas deformidades ou a presença de micose vão nos sugerir algum comprometimento na estrutura yin do fígado, ou desequilíbrio prolongado da energia do fígado.
Para concluir, o fígado comanda o funcionamento do sistema nervoso e é o responsável pelas alterações funcionais como as várias formas de epilepsia, as alterações no raciocínio, os desmaios e as perdas de consciência de modo geral, e as doenças degenerativas como o Parkinson.
Todo órgão está acoplado a uma víscera que, no caso do fígado, é a vesícula biliar, que em geral tem um papel secundário para o funcionamento do sistema. Resumidamente, a vesícula atua mantendo o nosso equilíbrio postural. Todos os quadros de tonturas, vertigens, labirintites estão ligados a ela. Rege a articulação têmporo-mandibular (ATM). Todas as tensões que ficaram retidas no fígado podem descarregar nesta região e produzir um quadro de ranger os dentes (bruxismo), que se manifesta mais freqüentemente durante o sono. A nível emocional a vesícula biliar comanda o nosso processo de decisão, e seus desequilíbrios vão se apresentar na forma de indecisões ou mesmo desorientações, perda de rumo.
A lágrima é a secreção interna que ajuda a aliviar o fígado. Deste fato vem a importância de não se reprimir o choro, embora nem sempre seja conveniente socialmente. Mas, pode acreditar, conter o choro faz mal à saúde.
Agora que já temos uma idéia de como é estar com a energia do fígado desequilibrada, vamos fazer alguma coisa para ajudar. O mais importante é a harmonia das emoções, isto é, as emoções não devem ser reprimidas. Nós devemos senti-las e deixá-las fluir, evitando o apego emocional. Depois, evitar os medicamentos químicos, as bebidas alcoólicas, os temperos picantes, se não puder evitar, usá-los com moderação. Na alimentação, optar pelas coisas de cor verde, e usar de preferência verduras cruas.
Dr. Fábio Pisani

15 de agosto de 2007

Diabetes: Pessimismo e Depressão - Falta de Docilidade na Vida!

COMO É O DIABETICO
por Paulo Roberto de Araujo
A diabete pode causar fome intensa, perda de peso, distúrbios vasculares,alteração de visão por lesão das retinas. Os diabéticos trazem consigo um padrão de comportamento bem forte. São pessoas que trazem um grau de amargura e tristeza, e um grau de baixo auto estima além da dependência. Eles acabam encobrindo seus sentimentos mostrando alegria, brincando e divertindo pessoas sendo que na realidade é bem diferente.Tem dificuldade de agir diante das ofensas e injustiças. São sensíveis tem facilidade ao choro, mas o fazem longe de todos. Se culpam e são melancólicos. O diabético é considerado imaturo esta sempre na busca de afeto. A procura é intensa mas não se permitem ao afeto. As crises de diabetes são geradas por tensões emocionais, ela pode se agravar com as perdas e a rejeição. As vezes a pessoa é forte bem sucedida mas tem algo que acha que não esta o suficiente.”Pessoas vitimistas” .O problema mesmo sendo hereditário tem como contorna -lo trabalhando o fator emocional do individuo. A própria educação da criança leva a tendência de repetição dos padrões de comportamento de um ou de ambos os paes. No caso de possuir essa herança genética, os filhos passam a ter uma grande probabilidade de desenvolver a diabete. A diferença de comportamento faz com que o individuo não desenvolva mesmo sendo hereditário.Lembrem se que pais depressivos projetam em seus filhos a insatisfação e a dependência de afeto. Abordei alguns fatores que levam a pessoas a este estado , alguns de vocês podem se perguntar “ O que faço para a minha cura “ Esteja disposto a mudar o seu interior, encarar as mudanças, as situações ,seja consciente de que tudo que lhe acontece o causado por você mesmo, resgate a docilidade e o sabor da vida volte a confiar em si mesmo.
Mônica Symphoroso

10 de agosto de 2007

Desconfiança causa doença cardíaca, diz estudo



A desconfiança pode aumentar o risco de doenças cardíacas segundo um estudo de pesquisadores americanos.O estudo - analisando 6.814 pessoas - descobriu que desconfiança e ceticismo estavam associados a sinais de inflamação que, por sua vez, aumentam o risco de doenças cardíacas.
Estresse crônico e depressão também estariam associados a níveis maiores de certos marcadores inflamatórios no sangue.
Pesquisadores da Universidade de Michigan pediram que os participantes da pesquisa respondessem a um questionário que tentava descobrir o risco que a pessoa corria de desenvolver estresse crônico ou depressão.
Ceticismo e desconfiança foram medidos em uma visita seguinte.
Os pesquisadores também recolheram amostras de sangue dos participantes que tinham entre 45 e 84 anos. As amostras foram analisadas para detectar a presença de três marcadores, que aparecem no sangue em caso de inflamação: fibrinogênio, proteína reativa - C e o IL-6. Níveis mais altos de ceticismo e desconfiança estavam associados a níveis mais altos de IL-6 e proteína reativa - C. Depressão estava associada com níveis mais altos de IL-6.
"As associações mais fortes e consistentes foram observadas nos casos de ceticismo e desconfiança, que foi positivamente associado com todos os três marcadores", disse o líder do estudo, Nalini Ranjit.
Pesquisas anteriores mostraram ligações entre fatores psicossociais como estresse e doença cardiovascular. Mas a razão para isto ainda não foi esclarecida.
Inflamação é um caminho importante no desenvolvimento de arteriosclerose - um processo em que as artérias ficam mais estreitas e endurecidas bloqueando o fluxo de sangue - e em ataques do coração e derrames.
Quando Ranjit e sua equipe analisaram as descobertas mais detalhadamente, descobriram que boa parte do aumento dos marcadores de inflamação estava ligada a problemas de estilo de vida como obesidade e fumo. Eles concluíram que pessoas céticas e desconfiadas podem ter mais tendência a um estilo de vida pouco saudável, e isto pode explicar o alto risco de doença cardíaca. Vicky Styman, enfermeira cardíaca da organização britânica British Heart Foundation, disse que existem poucas provas para afirmar que a emoção era um fator de risco significante para doenças cardíacas."Uma dificuldade é que emoções são subjetivas. Algumas pessoas conseguem ter sucesso sob estresse enquanto outras preferem um ritmo mais lento, e, freqüentemente, é como as pessoas lidam com o estresse que pode aumentar o risco de doença cardíaca e não o estresse propriamente dito", afirmou."É particularmente difícil definir se alguém é cético e medir o impacto disto na probabilidade de desenvolvimento de doenças.
BBC Brasil.com

9 de agosto de 2007

Pulmão - Nosso Sistema de Defesa *Medicina Chinesa*



O pulmão, é o responsável pela captação da parte yang da energia vital que chega através da respiração, e os distúrbios desta função vão repercutir no pulmão e no rim, que é onde vai ser recebida e agregada com a parte yin da energia que entra pelo estômago com a alimentação. Outra função importante do pulmão é em relação à defesa do organismo. Esta defesa é diferente da imunidade humoral, que está ligada às células brancas do sangue. Esta defesa é feita por uma energia que chamamos de wei qi, que é gerada pelo pulmão. Esta energia circula na superfície do corpo, e dá o primeiro combate aos ataques externos, sejam eles virais, bacterianos ou climáticos (vento, frio, umidade ).
Energeticamente o pulmão rege várias estruturas, a saber: a garganta e suas estruturas (amígdalas, tireóide), nariz, seios da face, a pele e os pêlos e o intestino grosso.
As emoções ligadas ao pulmão são a tristeza, a melancolia, as angústias e as tensões muito prolongadas. Aqui poderíamos incluir as depressões, mas aí o comprometimento energético é também do fígado. De uma forma mais genérica, poderíamos dizer que o pulmão é afetado pelas perdas afetivas, como os relacionamentos terminados ou as perdas de entes queridos.
Uma relação muito importante é a da pele com o pulmão, fato que também é observado pelos colegas alopatas. É bastante comum a evolução de um eczema para algum tipo de bronquite, e também o contrário, como as asmas ou bronquites quando tratadas por métodos naturais tendem a se resolver através de eliminações na pele. Em alguns casos o tratamento de uma lesão de pele, feito de forma a suprimir a lesão, pode gerar como conseqüência patologias, que vão desde uma simples rinite até as asmas ou as pneumonias de repetição. Portanto, toda a atenção com os tratamentos das alergias, dos eczemas, das dermatites, porque se forem mal conduzidos podem levar a manifestações no pulmão e o observador menos avisado, poderá pensar que são manifestações independentes, quando são na realidade a mesma doença em fases diferentes.
Ainda na pele temos a transpiração, que é controlada pelo pulmão através da abertura e fechamento dos poros. Num quadro de diminuição da energia do pulmão podemos observar com freqüência a ocorrência de transpiração espontânea abundante, inclusive durante o sono. Nestes casos, a energia está tão fraca que não consegue fechar os poros.
Outra estrutura regida pelo pulmão é o intestino grosso que, junto com a pele, funciona como órgão de eliminação, como nos quadros catarrais onde há eliminação de muco juntamente com as fezes. Por outro lado, também temos as alergias alimentares que tem seu início nos intestinos e depois se manifestam na pele, podendo chegar a invadir o pulmão propriamente. Podemos também citar a intolerância à lactose, que também tem manifestações a nível intestinal e pulmonar. Temos também as constipações intestinais que podem ser por falta de líquidos, fibras, por excesso de calor, por excesso de umidade, por diminuição da energia total, por diminuição da energia do pulmão, e várias outras etiologias, assim sendo não é só comendo frutas e verduras ou fibras em geral que vamos regularizar o funcionamento do intestino.
Outra função comandada pelo pulmão é a produção de líquidos orgânicos. Esta função em primeira instância, pareceria ser do rim, mas é do pulmão. Esta produção se dá basicamente pela respiração celular, onde vamos ter, como produtos finais, gás carbônico e água. Esta água, pode ser chamada de endógena, para diferenciar da água que consumimos via oral, ou em outros alimentos. Uma disfunção neste processo de difusão da água, vai levar a formação dos edemas (inchaços) nas partes altas do corpo, como no rosto, nas pálpebras, diferente dos edemas inferiores que estão ligados à energia do rim. Assim, resumindo, a água endógena é formada pelo pulmão e encaminhada ao rim, seguindo o mesmo caminho da energia yang captada pela respiração.
Uma forma fácil de reconhecer alguém com desarmonia da energia do pulmão, é pela cor extremamente branca do rosto. Para finalizar, o sabor que tonifica o pulmão é o picante, sempre em pequena quantidade, senão pode produzir calor e lesar o organismo.
Dr. Fábio Pisani

MASSAGEM TERAPEUTICA E A METAFÍSICA

“Nenhuma dor se manifesta no nosso corpo sem que esteja associada a alguma emoção!”
“A dor física é a manifestação da dor no eu verdadeiro!!!”
A massagem é uma prática milenar com origem na Índia, China, Japão, Grécia e Roma, e o significado dela é “amassar, friccionar pressionando o tecido”.A palavra terapêutica é definida como “de, ou relacionada ao tratamento ou cura de um distúrbio ou doença”.
Quando ficamos doente, quando um dor física nos acomete, é porque algo em nosso emocional não vai bem, temos o triste hábito de somatizar nossos problemas, nossas frustrações, nossa insegurança, nossos medos, nosso comodismo e principalmente nosso vitimismo, em vez de tentarmos confrontar o problema, de tentarmos analisa-lo por uma ótica mais positiva e ter coragem de mudar de atitude diante das situações perturbadoras, nos acovardamos e passamos a ficar doentes..
Então precisamos tratar o doente e não só a doença, precisamos diagnosticar as causas e não só as conseqüências. A dor é o maior referencial de que algo vai muito mal em nós.
"A arte de massagear ameniza a dor, estimula as moléculas, elimina as toxinas, movimenta a corrente sanguínea, libera as linfos. Além disso ainda temos o fato que o toque promove amor, promove afabilidade, promove calma, promove segurança. De acordo com a medicina chinesa a massagem desbloqueia os pontos energéticos no nosso corpo. O livre fluxo da energia pelo corpo é essencial para a saúde e sensação de bem-estar físico e psicológico."
Terapeuta: Nilma Saores

Doenças têm origem num estado de Não-Perdão

Sempre que estamos doentes, necessitamos procurar dentro de nossos corações para descobrirmos quem precisamos perdoar.
O conhecido livro Course in Miracles (Um curso em milagres) diz: "Toda doença tem origem num estado de não-perdão" e "Sempre que ficamos doentes, precisamos olhar à nossa volta para vermos a quem precisamos perdoar".
Eu acrescentaria a isso que a pessoa a quem você achará mais difícil perdoar é a DA QUAL VOCÊ MAIS PRECISA SE LIBERTAR.
Perdoar significa soltar, desistir. Não tem nada a ver com desculpar um determinado comportamento. É só deixar toda a coisa ir embora. Não precisamos saber como perdoar. Tudo o que necessitamos fazer é estarmos dispostos a perdoar. O Universo cuidará dos "como".
Compreendemos bem demais nossa própria dor. Como é difícil para a maioria de nós compreendemos que eles, sejam lá quem forem, que mais precisam de nosso perdão, também estão sofrendo dor. Precisamos entender que eles estavam fazendo o melhor que podiam com a compreensão, a consciência e o conhecimento que tinham na época.
Quando alguém vem a mim com um problema, não importa qual seja - má saúde, falta de dinheiro, relacionamentos insatisfatórios, criatividade sufocada -, trabalho unicamente numa só coisa, ou seja, em amar o eu.
Aprendi que, quando realmente amamos, aceitamos e aprovamos a nós mesmos exatamente como somos, tudo na vida funciona.
É como se pequenos milagres estivessem em todos os cantos. Nossa saúde melhora, atraímos mais dinheiro, nossos relacionamentos tornam-se mais satisfatórios e começamos a nos expressar de forma plena e criativa. Tudo parece acontecer sem nem mesmo tentarmos.
Amar e aprovar a si mesmo, criar um espaço de segurança, confiança, merecimento e aceitação resultará na criação da organização da sua mente, criar relacionamentos mais amorosos em sua vida, atrair um novo emprego e um novo e melhor lugar para viver, e até permitir que seu peso corporal se equilibre. Pessoas que amam a si mesmas e aos seus corpos não se prejudicam nem prejudicam os outros.
A auto-aprovação e a auto-aceitação no aqui e agora são as principais chaves para mudanças positivas em todas as áreas de nossas vidas.
O amar a si mesmo, amar o eu, começa com jamais nos criticarmos por nada. A crítica nos tranca dentro do padrão que estamos tentando modificar. A compreensão e os sermos gentis conosco mesmos nos ajudam a sair dele. Lembre-se, você esteve se criticando por anos e não deu certo. Tente se aprovar e veja o que acontece.
Na infinidade da vida onde estou, tudo é perfeito, pleno e completo. Acredito num poder muito maior do que eu que flui através de mim cada momento de cada dia. Abro-me à sabedoria interior, sabendo que existe apenas Uma Inteligência neste Universo. Desta Inteligência vêm todas as respostas, todas as soluções, todas as curas, todas as novas criações. Confio nesse Poder e Inteligência, sabendo que seja o que for que eu precise saber é revelado a mim e que seja o que for que eu precise vem a mim na hora, no espaço e na sequência certos. Tudo está bem no meu mundo.
Fonte : Você Pode Curar Sua Vida
Autora: Louise Hay