30 de outubro de 2010

O Fantasma da Obesidade...- Parte 1

Obesidade

A obesidade hoje é uma doença que atinge cerca de 40% da população, trazendo muitas conseqüências físicas e emocionais.

Os estudos em torno da obesidade são imensos, há muita coisa hoje sendo comprovada em torno desse assunto. Reuni alguns que considerei ser importantes ao conhecimento de quem passa por esse problema, ou tem curiosidade de saber.

De acordo com a OMS( Organização Mundial de Saúde), a obesidade é uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afetar a saúde.

Fatores Biológicos, Psicológicos e Ambientais da obesidade

- Pré-disposições Genéticas: composição corpórea presentes nestes indivíduos e a presença de genes envolvidos no aumento do peso. Variações genéticas podem predispor um indivíduo à inatividade física ou à escolha de alimentos ricos em gorduras por exemplo.

- Doenças Endócrinas – Metabólicas: relacionada ou por excessos ou escassez de hormônios endócrinos como por exemplo: o hipotireoidismo, a síndrome dos ovários policísticos, o tratamento com hormônios sintéticos usados como contraceptivos ou no tratamento da menopausa.

- Alterações Nutricionais: Ingestão de alimentos hipercalóricos como Fast Food, chocolates etc...

- Inatividade Física: Sedentarismo

- Fatores Ambientais: quando o meio em que a pessoa vive encoraja a ter hábitos que sugerem o aumento de peso, isso pode ser passageiro como uma viagem, ou por um período como se alimentar em Fast Food no período de escola, ou ainda conviver com pessoas que só se alimentam de guloseimas.

- Fatores Farmacológicos: Alguns medicamentos podem propiciar o ganho de peso como por exemplo estrógenos, glicocorticóides, progestágenos, neurolépticos, anti-histamínicos. Estaria relacionado com os mecanismos que regulam a fome e a saciedade alterando-os.

- Fatores Psicológicos: Envolvem perturbações emocionais onde a pessoa se refugia, ou compensa no ato de comer.

Bom vimos que já se é comprovado que o que leva uma pessoa a se tornar obesa são um conjunto de fatores e não uma causa isolada. Muito se ouvem por ai sobre a conduta do obeso, tachando-o de pessoa fraca sem força de vontade, de relaxado, sem amor próprio e outras coisas mais. Mas a verdade é que vivemos numa realidade hoje que facilita esse crescente aumento de peso, o meio que vivemos com tantas facilidades e industrializações, tantas ofertas tentadoras ao nosso paladar, remédios que acabam por resolver alguns dos nossos problemas e agrava nosso metabolismo propiciando também um ganho de peso,(vale ressaltar um detalhe, fui ao médico uma vez e questionei-o sobre uma determinada medicação, pois havia observado que após a ingestão por meses de tal medicamento havia tido um ganho de peso, o qual ele me deu a seguinte resposta: - remédio não tem caloria, portanto não engorda, o que ocorre é que determinados medicamentos alteram algumas funções no organismo que nos faz ingerir maior quantidade de alimento, ou alteram a função “parar – saciado” fazendo com que estejamos sempre com fome, por isso se engorda.). Ainda temos os fatores genéticos que podem interferir na questão obesidade, assim como doenças. Nossa rotina hoje favorece o sedentarismo e não gastando a energia consumida e lógico que ela vai se acumular em forma de gordura. E pra terminar o que eu considero umas das causas que mais agrava a todas as outras: o fator psicológico-emocional. Por ser esse um assunto muito abrangente resolvi que irei tratar desse tópico específico numa matéria aparte.

Com vista em todas esses fatores que podem causar a obesidade deixo aqui pra vocês algumas observações interessantes:

- O mecanismo da fome é controlado por um sistema complexo de comunicação entre diversas proteínas liberadas pelo aparelho digestivo e envolve mais de 250 genes herdados de nossos pais. Para manter o equilíbrio energético do organismo, cada um desses genes produz uma determinada proteína. Sua regulação é tão precisa que se a pessoa ingerir 120kcal a mais do que suas necessidades energéticas por dia (o que equivale a um copo de refrigerante), no final de 10 anos terá engordado 50K.

- O estômago é um importante regulador do apetite. Quando está vazio, há a liberação do hormônio grelina que age no cérebro e dispara a sensação de fome que diminui gradativamente a medida que comemos.

- A passagem dos alimentos para os intestinos provoca a liberação de outro hormônio, o PYY que também age no cérebro, ativando o centro da saciedade e provoca a perda de apetite. A comunicação estabelecida entre esses dois hormônios indica quando se deve iniciar ou terminar uma refeição.

- Dependendo do tipo de alimentos ingeridos, há uma composição diferente na liberação desses hormônios, ele exemplifica que carboidratos simples, como a batata e os doces, são absorvidos antes de os intestinos liberarem os hormônios PYY inibidor da fome. Quebrados pela insulina produzida pelo pâncreas, esses carboidratos ingeridos em excesso transformam-se em células gorduras.

- Que a gordura de alimentos, como a carne vermelha passa rapidamente para os intestinos e libera PYY induzindo mais depressa a sensação de saciedade.

- O consumo facilitado de alimentação hipercalóricas devem ser controladas. E que o ideal é contrabalancear a alimentação, fazendo uma reeducação alimentar.

- Que não há milagres que resolvam a obesidade, se ingerir mais calorias do que gastá-las haverá um acúmulo no organismo em forma de gordura.

- Que precisamos ser previdentes e investigar se há possíveis problemas endócrinos – metabólicos que podem estar contribuindo ao ganho de peso.

- Que determinados medicamentos podem alterar nosso apetite.

- Que o lado psicológico e emocional precisam estar equilibrados para que a comida não se torne algum tipo de mecanismo de fuga ou proteção.

Curiosidade:

Entre as décadas de 20 e 50 o corpo mais robusto passava a idéia de fartura, saúde e prosperidade. Segundo a * Dra.. Sant´Anna, foi somente na década de 60 que o culto da beleza ganhou espaço, as propagandas associavam o excesso de peso a doenças. Nesta época a Revista Cláudia fez a primeira matéria sobre celulite e a balança (Filizola) foi inserida nas farmácias, assim, o controle do peso passou a se relacionar diretamente com a pessoa. A idéia de riqueza, sucesso, mobilizaram a subjetividade para a nova identidade; ser magro.

Nilma Soares

Fontes:

http://www.artigonal.com/nutricao-artigos/obesidade-cirurgia-bariatrica-e-aspectos-emocionais-2766415.html

http://www.portaldeginecologia.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=82

http://www.copacabanarunners.net/obesidade-genetica.html

http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/enciclopedia+da+saude/obesidade/causaseconsequenciasdaobesidade.htm

http://74.125.155.132/scholar?q=cache:ZK-lGOU_eNwJ:scholar.google.com/+obesidade+causas+biol%C3%B3gicas&hl=pt-BR&as_sdt=2000&as_vis=1

http://www.cibersaude.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=1850

13 de setembro de 2010

RAIVA – Sentimento as vezes inevitável mas muito prejudicial

"A resposta branda desvia o furor,

Mas a palavra dura suscita a ira".

images (2)

Não podemos generalizar dizendo que toda doença é originária dos nossos sentimentos. Mas cada pessoa lida com seus sentimentos de maneira diferente, algumas pessoas se desgastam mais, outras menos, daí também advêm a questão: importância, prioridade, entendimento, fatores culturais e de educação familiar.

Além disso, ainda temos a avaliação do Psiquiatra Mario Alfredo De Marco, da Universidade Federal de São Paulo, que diz que é provável que, por determinação genética, haja pessoas mais propensas a ficar doentes por causa de emoções excessivas. Ou seja isso pode ser efeito de uma tendência genética por reações hormonais mais ou menos fortes.

Sendo assim resolvi falar de um dos sentimentos que considero um dos mais difíceis de lidar, a Raiva.

O que é a Raiva?

É um sentimimages (3)ento de impotência, real ou imaginário para mudar uma situação da qual não consegue se defender nem sair dela. Ou ainda, a raiva é um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa, que as pessoas demonstram quando se sentem ameaçadas.

O sentimento de raiva tem origem na idéia de que fomos injustiçados ou maltratados, tendo como base vivências do passado. Se no passado a pessoa foi muito maltratada ou punida, há uma tendência de se manter "alerta" contra futuras ameaças, de maneira desproporcional ao evento. Torna-se conhecida como uma pessoa de "pavio curto" e suas explosões são uma tentativa de se proteger do que acredita ser uma agressão.

Ainda há os casos que ao sentir-se humilhado, desrespeitado, maltratado ou injustiçado, em vez que explodir a pessoa reprime e “engole” a raiva, gerando assim sentimentos de frustração e depressão.

Somatização:

Na medicina Chinesa a Raiva está associada ao fígado o que provoca no instante da irritação a vermelhidão nos olhos e rosto, algumas vezes dores de cabeça e vertigens. Pode também desencadear diarréias e indigestão.

Na metafísica ela pode causar a longo prazo distúrbios no aparelho digestivo, como gastrite, úlcera, problemas de coração, sendo o principal o infarto.

No caso de quem não explode e sim “engole” a raiva, acabam por ter um crescente aumento de peso.

Ainda temos os problemas psicológicos que são desencadeados pelo sentimento de raiva, pois uma pessoa que se irrita com freqüência, que explode ou não, mas sentem a raiva invadi-lo constantemente acaba em desequilíbrio emocional.

O comporimages (4)tamento agressivo do raivoso pode se expressar através de violência verbal e até mesmo através de violência física. Quem dá vazão ao sentimento de raiva, apenas para se libertar dele, como uma evidente prova de desequilíbrio emocional pode se dar mal, pois não é possível prever como isso irá terminar.

 

Conclusão:

Sentir raiva é uma coisa normal, desde que esse sentimento não se torne constante em sua vida.

Cuidar do psicológico ajuda a manter o equilíbrio emocional, sem contar que assim estará cuidando do seu fígado, não terá mal estares, dores de estômago, seu coração será poupado e ainda de quebra se manterá em forma, sem quilos extras. E o principal: seus familiares e amigos agradecerão....

Nilma Soares

Fontes:

Flávia Leão Fernandes -CRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.                                        http://cyberdiet.terra.com.br/sentimento-de-raiva-pode-prejudicar-7-1-6-701.html

http://zephyrus.blog.br/2008/02/28/as-sete-emocoes-negativas-da-medicina-chinesa/

http://mentes.forumeiro.com/psicologia-f6/as-doencas-da-emocao-t20.htm

8 de setembro de 2010

Quando a Boca Cala, o Corpo Fala.

Recebi um email com esse texto e achei o máximo, verifiquei que na internet há muitos sites onde ele foi postado, mas mesmo assim quis dividir com vocês o texto.

edf-713098

Muitas vezes...
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando a raiva não consegue sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.

Todos precisam saudavelmente de um ouvinte interessado.
Mas tudo depende, principalmente, do nosso esforço pessoal para fazer
acontecer as mudanças na nossa vida !!!
"A amizade é a mais pura forma do amor de Deus, porque nasce do livre arbítrio do

coração".

(Paramahansa Yogananda)

Quando a boca fala, o corpo sara!

 

 

 

12 de julho de 2010

Metafísica da Saúde - Valcapelli

gridman

Você cuida da saúde do corpo?
Procura selecionar o que vai comer e mantém uma alimentação saudável?
Pratica atividades esportivas ou procura se movimentar para exercitar o corpo?
Quando adoece vai ao médico e faz os tratamentos para resgatar a saúde?
Provavelmente a resposta seja afirmativa para a maioria dessas questões voltadas ao corpo físico; mas tem outra área que a maior parte das pessoas abandonam, a mente. Ela rege o funcionamento biológico, tornando-se fundamentalmente importante para preservar a saúde emocional e a qualidade de vida.
Os pensamentos que você produz a todo instante são espécies de vetores existências. Eles produzem o vigor físico, despertam a vontade, manifestando a animosidade. Aquilo que você pensa manifesta imediatamente no corpo, os bons pensamentos causam bem-estar físico e emocional, enquanto os pensamentos nocivos interferem negativamente no organismo, gerando os conflitos emocionais. O provérbio latim 'Mens Sana in Corpore Sano', que significa 'Mente sã em corpo são' demonstra a integração biopsíquica.
“Cabeça boa” não é um produto que se adquire no mercado, encontra nas farmácias ou que alguém dá a você. Para constituir um universo mental saudável e uma estrutura emocional forte, para lidar com as adversidades da vida, sem desesperar-se ou se chatear ao ponto de adoecer; faz-se necessário buscar conhecimentos por meio de leituras, atividades culturais e participar de eventos que enaltecem os potenciais inerentes ao ser.

Quando se está doente a pessoa toma remédio, quando o corpo está fraco ela busca nutrientes, mas quando as emoções encontram-se afetadas, o “coração partido” ou a “mente perturbada”, a solução não vem de fora, ela está dentro. A superação desses processos só é possível por meio dos conteúdos positivos agregados ao longo da trajetória existencial. Quem tem “cabeça boa” sofre menos, supera os conflitos com mais facilidade, amortiza o sofrimento e dificilmente adoece.

Texto recebido de Valcapelli

Mais detalhes visite o site: www.valcapelli.com

17 de junho de 2010

Algumas Doenças e suas causas Metafísicas

Trouxe pra vocês hoje uma relação simplificada de causas Metafísicas de doenças mais comuns.

Gateway

ACNE Não aceitar ou desgostar de si mesmo.
AIDS Sentir-se indefeso e sem esperança. Culpa sexual.
ALCOLISMO Rejeição própria, sentir-se inútil.
ALERGIA Estado de alerta diante das situações da vida. Tendência a ficar na defensiva. Estado emocional abalado. Negar a força interior.
ALZHEIMER Não aceitação da vida que tem. Sentir-se derrotado.
AMIDALITE Emoções reprimidas, criatividade sufocada.
ANEMIA Medo da vida, falta de alegria. Postura constante do “Sim, mas….” Sabotar a capacidade de ser bom nas coisas que se propõe a realizar.
ANOREXIA Negar a própria vida. Medo excessivo de ser rejeitado. Ódio extremo de si mesmo.
ANSIEDADE Não confiar no percurso da vida.
APENDICITE Medo da vida. Bloqueio do fluxo do que é bom.
ARTERIOSCLEROSE Resistência. Recusa em ver o bem.
ARTRITE Sentir-se não amado e sentir-se criticado. Forte ressentimento.
ASMA Sentimento contido. Choro reprimido.
AUDIÇÃO Não querer ouvir. Raiva e Confusão.
BULIMIA Ódio próprio. Sem esperança.
BRONQUITE Ambiente Pesado na família. Gritos, discussões.
CALVÍCIE Medo, Tensão, tentar controlar tudo e não confiar no processo da vida. Não confiar naquilo que pensamos ou sentimos.
CÂNCER Profunda dor. Sofrimento em segredo. Mágoa Profunda.
CATARATA Incapacidade de olhar em frente com alegria.
COLESTEROL Dificultar as formas de diversão. Medo de aceitar a alegria.
CÓLICAS Aborrecimento com algumas pessoas.
CÓLICA MENSTRUAL Dificuldade de lidar com mudanças. Apego excessivo a uma situação e não realizar as transições necessárias.
COLITE Constituição de laços familiares e afetivos com caráter de dependência. Profunda irritação pela situação que provocou o rompimento de uma relação simbiótica.
COMA Medo. Tentar fugir de alguma situação ou alguém.
COCEIRA Sem satisfação. Ter desejos que vão contra ao que é natural.
COLUNA CERVICAL Excesso preocupação, tensão. Não sentir-se amado, falta de suporte emocional.
COLUNA TORACICA Sentimento de culpa, não saber o que fazer diante das dificuldades.
COLUNA LOMBAR Angustia e preocupações, fugindo de tomar decisões que modificarão sua vida. Problemas financeiros.
CORAÇÃO Falta de diversão. Gosto por dinheiro e posição social. Mágoas.
COXA Medo de seguir com decisões tomadas.
DEDOS POLEGAR: Inquietação, estar sempre pensando.
INDICADOR: Medo da autoridade.
MÉDIO: Raiva ou insegurança na intimidade.
ANULAR:Pena de Amor, problema com compromisso.
MINDINHO: Ignorar a própria criatividade. Problemas com a família.
DENTES Insegurança, duvidas que abalam a força realizadora.
DENTES (canal) Crenças destruídas por sérias decepções.
DEPRESSÃO Sentir-se fragilizado, abatido. Sem esperança. Raiva, desilusão. Falta de auto estima.
DERRAME CEREBRAL Desistir e Rejeitar a vida.
DESMAIOS Medo de confronto, perda da noção do que está para acontecer. Fuga.
DIABETES Falta de docilidade na vida.  Frustações e sofrimentos que o tornaram triste, rancoroso e pessimista. Não consegue se desprender das mágoas. Não ter transmitido amor ao longo da vida.
DIARRÉIA Medo e fuga. Desapego
DIVERTICULITE Estado interior de saudosismo e arrependimento. Pessoa triste e amargurado.
DOR DE CABEÇA Resistência em acatar acontecimentos inusitados da vida, se opor e não admiti-lós. Autocrítica.
EDEMAS NAS PERNAS Atitude de recolhimento, falta de entrega à vida e às situações existenciais. Medo de abandono.
ENDOMETRIOSE Não estar seguro quanto ao seu próprio jeito de ser.
ENXAQUECA Raiva reprimida. Pessoa perfeccionista.
EPILEPSIA Pessoa impulsiva, criativa, porém reprime todos esses entusiasmos, tornando-se uma pessoa moderada e pacata.
ERISIPELA Ferimentos obtidos no contato com a realidade. O quanto a pessoa se machucou no contato com aqueles que o cercam. Falta de desprendimento do que aconteceu de ruim. Arrependimento do que fez ou pela lembrança dos episódios nocivos que enfrentou no passado.
ESTRIA Rompimento consigo mesmo. Não falar aquilo que pensa.
FEBRE Raiva. Irritar-se muito.
FIBROMA Bloqueio e negação da originalidade. Alimentar mágoas causadas pelo parceiro.
FRIGIDEZ Negação do Prazer.
FURÚNCULO Reprovação das próprias características, negar seu jeito de ser.
GAGUEJAR Insegurança, falta de expressão, dificuldade em chorar.
GARGANTA (dor) Agüentar palavras mais furiosas. Incapacidade de expressar-se.
GASES Preocupação.
GASTRITE Irritação com o que se passa ao redor. Não transformação das situações. Não sabe lidar com aborrecimentos. Incerteza profunda.
GENGIVAS Incapacidade de recuar e tomar decisões. Não ter opinião própria sobre a vida.
GRIPE Confusão e perturbação mental. Necessidade de atenção.
GLÂNDULA PITUITÁRIA Sentir-se fora de controle. Não conseguir controlar seu destino.
HÉRNIA Sensação de aflição. Ruptura de relacionamento.
HEMORRÓIDA Medo de prazos determinados.  Raiva do passado. Medo de desistir e continuar.
HEPATITE Raiva, ódio. Resistência a mudanças.
INDIGESTÃO Temor ou ansiedade com evento próximo.
INFECÇÃO Irritação, raiva ou aborrecimento sobre uma situação recente.
INFECÇÃO URINÁRIA Conflitos no relacionamento. Sentir-se irritado. Usualmente com o sexo oposto ou amado.
INSÔNIA Medo, insegurança, não confiar na vida.
INTESTINO Me.do de relaxar.
ITIS Qualquer doença com ITIS no final da palavra é associada a Medo. Não se sentir capaz de fazer o que acha ser suficiente.
JOELHO Orgulho ou teimosia. Medo de seguir em frente. Pessoas que se apóiam nos outros.
LABERINTITE Medo de não estar no controle.
LARINGITE Medo de levantar a voz.
LINFÁTICO (sistema) Atitude de recolhimento, falta de entrega à vida e às situações existenciais. Medo de abandono. Insegurança e Medo do futuro.
MANDÍBULA Raiva, ressentimento, necessidade de vingança. Não saber desistir.
MÃO Elevado desejo de sucesso ou fama. Não lidar bem com as coisas.
MENINGITE Tumulto interior. Falta de apóio.
MENOPAUSA Medo de não voltar a ser querida.
MENSTRUAÇÃO Negação da feminilidade.
MÚSCULOS Resistência a novas experiências. Não ser capaz de mobilizar-se livremente ou com facilidade.
NARIZ Eu interior, como me vejo.
NÁUSEA Rejeitar uma idéia ou experiência. Resistência ao que se desenrola ao redor.
NERVOSISMO Medo, ansiedade, estar sempre com pressa.
NÓDULOS Ressentimento, frustação. Ego ferido.
OLHOS ASTIGMATISMO: Medo de ver a si próprio.
MIOPIA: Medo do futuro.
OMBRO Sentir que a vida é uma sobrecarga.
OVÁRIOS Incapacidade em expressar ou aceitar a própria criatividade.
OSSOS Pressão e firmeza mental.
PÂNCREAS Não ser capaz de desfrutar da doçura da vida.
PARALISIA CEREBRAL Necessidade de unir a família numa ação de amor.
Medo do futuro ou não querer  avançar.
PEITO ESQUERDO: Não sentir-se amado. Recusa em manter a si próprio. Colocar os outros em primeiro lugar.
DIREITO: Excesso de proteção ou influência. Dificuldade em transmitir amor.
PELE Ansiedade, medo. Sentir-se ameaçado.
PERNA Colapso dos seus ideais. Não viver seus ideais.
PESCOÇO Recusar ver o outro lado ou posição de alguém. Teimosia.
PESO (Excesso) Sentir uma profunda necessidade de proteção emocional. Escapar dos sentimentos, insegurança, medo.
PNEUMONIA Sentir-se desesperado, desistir de tentar, sem coragem para cicatrizar as feridas. Desistir da vida.
PRESSÃO SANGUINEA ALTA: Problemas com emoções antigas que não foram resolvidas.
BAIXA: Falta de amor e derrotismo. Atitude “de que serve…”
PRISÃO DE VENTRE Preso ao passado. Medo de não ter dinheiro suficiente.
PRÓSTATA Medos que enfraquecem a masculinidade. Prazer Sexual e desejo com culpa ou fraqueza.
PULMÃO Depressão, tristeza ou medo de viver. Não sentir-se digno. Medo de absorver a vida.
PULSO Não ser flexível num assunto ou situação.
PÚSTULAS (bolhas) Pequena explosão de raiva.
QUEIMADURA Raiva, irritar-se com freqüência.
QUISTOS Alimentar mágoas. Falsa evolução.
RESFRIADO Reagir a negatividade em massa.  Colocar muita esperança nas situações. Desordem, mágoa.
RESPIRAÇÃO Medo ou recusa na compreensão da vida. Não sentir-se digno.
REUMATISMO Sentir-se vitimado, falta de amor. Amargura Crônica.
RINITE ALÉRGICA Congestão emocional. Culpa, crença em perseguição.
RIM Sentir-se como se não tivesse feito o suficiente. Medo da crítica, do fracasso, desapontamento.
RINS (Pedras) Raiva não solucionada.
RONCO Recusa teimosa em deixar seus ideais.
SANGUE Falta de diversão.  Falta de circulação das idéias.
SINUSITE Irritação provocada pelas pessoas que te rodeiam. A causa não é o que a pessoa faz e sim o fato dela não corresponder ao que você esperava que fizesse.
SURDEZ O que não se quer ouvir? Sentir-se isolado, medo da rejeição.
TESTÍCULOS Não aceitar os princípios da masculinidade.
TIREÓIDE Humilhação. Sentir-se reprimido ou Sacrificado. Sentir que nunca obtêm o que deseja.
TORNOZELO Inflexibilidade em manter-se de pé.  Incapacidade  em receber satisfação.
TOSSE Desejo de gritar ao mundo: “OUÇAM-ME!!!”
TRIGLICÉRIDES Rupturas familiares que deixam seqüelas emocionais.
TUMOR Fundamentar-se em remorsos, feridas e choques.
TÚNEL DO CARPO Sentir-se limitado e não achar que está fazendo o suficiente.
ÚLCERAS Agarrar-se ao medo. Não confiar no processo de vida. Sente-se pressionado, não encara os obstáculos, se corrói por dentro, cobra-se, auto-agride.
UNHAS (roer) Frustração.
VEIAS VARICOSAS Manter-se numa situação que odeia. Sentir-se sobrecarregado. Desencorajamento.
VERRUGA Pequena expressão de ódio.Sentir-se ou acreditar que é feio.
VERTIGEM Excêntrico, frívolo. Pensamento disperso.
VÍCIOS Fugir, não afrontar o medo ou não gostar de si próprio.
VISÍCULA Excesso de tolerância. Protelar a manifestação do que lhe incomoda. Não expressar sua indignação.
VOMITAR Rejeição violenta das idéias. Medo da novidade.

Estudiosos da Metafísica sugerem como remédio a esses males: ACEITAÇÃO, PERDÃO, AMOR E AUTO ESTIMA.

Nilma Soares

Pesquisas realizadas em:

http://equilibriomentecorpo.blogspot.com/2009/08/doencas-mais-comuns-e-sua-respectiva_23.html

http://equilibriomentecorpo.blogspot.com/2008/06/metafsica.html

Metafísica da Saúde – Vol.. I- II- III – Valcapelli e Gaspareto

http://www.bancodesaude.com.br/user/1402/blog/metafisica-saude-o-significado-das-doencas

10 de junho de 2010

O Jogo da Vida - Dianética

xadrez

Você sabe o que é a vida, realmente? Bem, você nasce cresce, estuda, trabalha, ganha dinheiro, gasta dinheiro, casa, tem filhos,
separa, casa de novo; muito bem, mas qual é o sentido de tudo isso?
O escritor e filósofo americano L. Ron Hubbard descreve a vida assim:


"Podemos compreender melhor a vida ao compará-la a um jogo.
Apesar da quantidade de sofrimento, dor, miséria, tristeza e angústia que podem existir na vida, a razão da existência é a mesma razão que se tem para jogar um jogo: interesse, competição, atividade e posse". "A vida é um jogo. Um jogo é composto de liberdade, barreiras e propósitos Isto é um fato científico, não uma mera observação".


Com um exemplo podemos perceber se essa afirmação tem procedência.
Num jogo de futebol o propósito é o gol, a liberdade é poder correr e driblar os jogadores oponentes, é poder passar a bola a outro jogador do mesmo time e fazer uma jogada conjunta que leve ao gol.
As barreiras são os jogadores adversários, o cansaço, os erros de passe e lances ao gol, as faltas, as quedas que podem machucar e etc.
Enquanto houver um propósito e as barreiras forem equilibradas às liberdades, o jogo seria bem interessante. Jogar contra um time muito mais forte ou muito mais fraco não seria bom. Não haveria realmente uma condição de jogo, não é verdade?
Na vida, nós temos um impulso muito forte à sobrevivência. Por isso que apesar de muitas barreiras ou dificuldades, continuamos jogando o jogo da vida.
Você deve ter notado que começa a desistir quando a quantidade de barreiras, dificuldades e sofrimentos é tanta que acaba desequilibrando e inibindo a força dinâmica da sobrevivência.
Isso acontece com você no seu dia-a-dia, só que em uma escala menor.
Cada vez que você se sente desmotivado, inseguro, indeciso e quer desistir de alguma atividade ou objetivo é porque houve um desequilíbrio entre liberdades e barreiras no seu jogo.
Da mesma forma que esquecer do gol levaria à derrota do time no jogo de futebol, a sua vida começa a decair quando você esquece de seus objetivos.
Barreiras muito potentes como falta de motivação, insegurança, estresse, falta de confiança etc. inibem sua capacidade de jogar o jogo da vida e vencer.


Hubbard descobriu que essas barreiras vem de uma parte inconsciente da sua mente denominada por ele de mente reativa.
A mente reativa grava e armazena  experiências de dor e sofrimento e depois as usa contra você, sem o seu conhecimento e controle.
Com a descoberta da existência e funcionamento da mente reativa, Hubbard conseguiu desvendar os mistérios da mente humana e do comportamento irracional. Ele desenvolveu também uma técnica que traz o equilíbrio de volta à sua vida.

Com base nesses dados concluímos que as respostas aos conflitos do Homem estão na sua própria mente e por isso podem ser resolvidos.

Matéria recebida de Simone Rocha – Dianética Brasil.

11 de maio de 2010

Abalos Emocionais por Situações de Transformação

dor

Vivemos numa constante transformação, seja pessoal, emocional ou profissional, motivadas e direcionadas pelas situações e circunstâncias do meio em que vivemos, das pessoas a nossa volta, das nossas escolhas e atitudes.

Algumas transformações nos trazem realização, alegria e bem estar. Outras nos deixam prostrado, aturdido, amargurado, fazendo nos sentir injustiçados e consequentemente vitimados.

Como reagimos as transformações é que direcionará a melhor maneira de enfrentarmos as situações que temos que vivenciar.

Está enfrentando uma situação desagradável? Está inseguro quanto ao rumo que a sua vida irá tomar? Está diante de problemas que não vê como soluciona-los? Está se sentindo desvalorizado? Se sentindo injustiçado? Ou está remoendo sua inconformação com os fatos, se perguntando como a sorte lhe virou as costas? Como Deus não realiza Sua justiça? Está enfrentando problemas financeiros? Foi abandonado? Desprezado? Incompreendido? E outros pensamentos deturpados pelo desequilíbrio das emoções?

Se respondeu sim a alguma dessas indagações, respire fundo, tudo no universo se transforma, modifica-se, mas cabe a você direcionar essa transformação de forma a lhe trazer o melhor.

Parta do princípio que você tem as rédeas da sua vida na sua mão, os caminhos é você quem escolhe, e que mesmo que o externo influencie no rumo que sua vida pode tomar, você ainda assim tem a escolha de tornar esse rumo agradável a você, em vez de se colocar na situação de vítima da situação.

“Não se faz omelete sem quebrar os ovos” não existe progresso sem que uma mudança drástica aconteça na sua vida, não haverá mudança sem perda, desligamento, desprendimento, rompimento.(*)

É certo que todos nós temos sonhos e projetos, criamos expectativas diante desses sonhos, e se eles não se realizam nos frustramos, e como consequência nos abalamos emocionalmente, criando monstros dentro de nós como baixa auto-estima, desvalorização, insatisfação, desencanto, sensação de fracasso. Cuidado com o acumulo desse lixo emocional, esses sentimentos negativos e mórbidos impedem seu bem estar.

Isso se dá porque traçamos uma meta do que queremos, do que é melhor para nós, e nos esquecemos que temos que adaptar essas metas a vida, ao meio que vivemos, e não o contrário.

Não é que você tem que pagar pelo bem estar, é que a vida se encarrega de expurgar algumas coisas que não conseguimos fazer por nós mesmos. O choque, o terremoto que estas mudanças causam, nos acordam para determinados pontos e mudamos, quando mudamos jogamos fora algo que não nos serve mais e aí o bem e o melhor entram em nossa vida.(*)

Mas somos resistentes  diante dos fatos, na maioria das vezes nos auto-sabotamos.

Auto-sabotagem é uma disfunção de personalidade, que apesar de muito comum, não é oficialmente reconhecida como distúrbio por tratar-se mais de uma síndrome, ou seja, um complexo de emoções, motivações internas e sentimentos que levam a pessoa a agir e sentir-se assim.   Por isso a chamamos de "Conduta de Auto-Sabotagem".(**)

Quem atua na Conduta de Fracasso ou Auto-Sabotagem, costuma optar pelo olhar negativo das situações, mas não só isso, na verdade estas pessoas vivem num mundo negativista, só seu. Ele já espera o fracasso, e portanto, quando as situações ocorrem em sua vida ele opta pela via mais provável pra si, a negativa.(**)

Os fracassos ficam todos guardados no quarto escuro e abandonado da sua vida. A energia do fracasso te leva por afinidade para o lugar onde todos os “não deu certo” estão guardados., um verdadeiro estômago mental , cheio de situações  não digeridas = úlceras amargas.(*)

Ninguém quer esta sensação – aí vem o medo de errar e voltar para este canto escuro da vida.  É lá que mora o fracassado. Quando desiste de tentar – fica revoltado – descarregando sua frustração, principalmente em que te ama – você ás vezes é “mimado”, e se você rotular um culpado, é porque está se pondo como vítima – se estiver como  vítima, você é impotente – porque está esperando que alguém te acuda.  Não vai aparecer ninguém pra te acudir. (*)

No universo físico, toda ação gera uma reação. No universo da consciência, também: todo pensamento, palavras e atitudes se propagam em forma de energia que é respondida pelo Universo.Quanto mais forte a intenção/ação, mais forte será a reação!(***)

Então modifique seus pensamentos, analise o que a situação quer lhe mostrar, veja o lado positivo das situações, mesmo as piores alguma coisa boa aproveitamos. Abra sua mente pra todas as possibilidades, lembre-se que você direcionou seus esforços para atingir suas metas, direcione pensamentos de concretização e onde houver obstáculos, pare, respire fundo, e encontre as alternativas para chegar ao seu objetivo. Não tenha medo de arriscar, quem se entrega ao medo é porque não acredita que possa realmente acontecer, se você não acredita não acontecerá.

Não perca o equilíbrio diante das transformações, não se feche como uma concha diante da vida, não gaste a força dos seus pensamentos com o negativismo, ao contrário empenhe-se em usar essa força pra atrair pra você o que você está buscando.

Não pense que o seu mundo está desmoronando, pense que você o está reformando para transforma-lo em algo mais bonito, mais confortável, mais agradável e que para isso necessita destruir tudo que é ruim, feio, que te incomoda, e que no fundo você sabe que não te serve mais.

Finalizando:

Toda mudança é um exercício ao desapego e desprendimento para que coisas novas e melhores cheguem.

Se colocar como vítima te faz parecer impotente. Não se queixe, busque a solução. Assuma o compromisso de se ajudar!

Fique atento para não se auto-sabotar. Você pode viver situações de fracasso, mas isso não faz de você um fracassado, ao contrário, se passou pelo obstáculo e deu a volta por cima, provou que você é forte e que pode superar as adversidades.

Abandone os pensamentos viciados como: “não dará certo”, “a vida é assim mesmo”. Que tal trocar por pensamentos do tipo: Eu posso, eu faço acontecer.

Toda ação gera uma reação. Todo pensamento se transformam em energia que é respondida pelo Universo.

Abandone o negativismo, ser positivo afirma sua crença no melhor.

Avalie as situações de todos os ângulos, você pode se surpreender com as novas possibilidades.

A prosperidade atrai a prosperidade.

As Marcas que as dificuldades deixaram nos lembram aonde estivemos, mas com certeza não precisam determinar para onde vamos!”

Nilma Soares

(*) http://jesermadureira.blogspot.com/

(**) http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=21937

(***)http://somostodosum.ig.com.br/clube/c.asp?id=22022

 

 

 

19 de abril de 2010

As influências do Amor no nosso físico e no nosso emocional.

Essa matéria além de muito interessante é um tema que muito me agrada, e tentei deixa-lá de uma forma simples e clara o que cientistas e pesquisadores descobriram sobre as reações físicas e emocionais desse sentimento universal.

Agradeço a minha querida irmã que gentilmente confeccionou a imagem abaixo onde representa visualmente o assunto que vou explanar.

tuboensaio

Quem nunca se sentiu inebriado pela paixão? Quem nunca rio a toa, viu tudo por uma ótica positiva, se tornou totalmente tolerante, perdeu o apetite, o sono, suou frio, tremeu, bambeou as pernas, sentiu seu coração disparar pela presença do ser amado, ou por ouvir sua voz ao telefone, ao receber uma mensagem no celular ou um e-mail? Ao receber flores inesperadamente, ou ficou totalmente dispersa, sem conseguir em concentrar-se em nada a não ser no ser amado?

Quem nunca chorou a dor de uma separação, ou sentiu a tristeza ao ser enganado, uma melancolia pela saudade ou perdeu o equilíbrio e ficou depressivo pela frustração de perceber que sua ilusão de amor se desmoronou?

Pesquisas científicas comprovam que o Amor altera as funções cerebrais que comandam todas essas reações.

Como nos sentimos atraídos por alguém? Como nos apaixonamos?

Exalamos pelos poros, substâncias químicas chamadas “Feromônios”, esse nome veio do grego antigo (Féro) transportar, (Órmon) excitar, então segundo eles essas substâncias produzem reações químicas que resultam em sensações de prazer. Simplificando é mais ou menos assim, nos comunicamos quimicamente, e vamos nos tornando dependentes dessa sensação de prazer, necessitamos da presença cada vez mais, o que chamamos de paixão e que pra eles essa ansiedade seria a Síndrome de Abstinência de Feromônios.

2º E como se explica as sensações e atitudes provocadas pela Paixão ou pelo Amor?

Quem comanda e é responsável pelas reações da paixão pelo cérebro é o Hipotálamo que estimula a produção de altos níveis de hormônios e substâncias que fazem uma verdadeira revolução em nosso organismo.

Vamos a elas então:

Dopamina: responsável pelos mecanismos de desejo e recompensa.

Norepinefrina: que nos dá a sensação de euforia, falta de apetite, falta de sono, excitação.

Serotonina: Quando os índices de Dopamina sobem os de Serotonina caem, e os baixos níveis de Serotonina estão associados a fixação ao ser amado.

Feniletilamina: um estimulante e anti-depressivo e esta relacionado a endorfina (Hormônio da Felicidade) tendo um efeito viciante em nós, digamos que é o que determina a mutação da paixão para o amor.

Ocitocina: (Hormônio do amor) é uma proteína produzida no sistema límbico cerebral, responsável pelas sensações e sentimentos, estimulam o apego entre os casais, a confiança e nos dá a sensação de satisfação e sentimento de plenitude.

Vasopressina: que é responsável pela fidelidade e monogamia.

Esses efeitos duram entre 18 e 30 meses, depois desse período o organismo fica resistente a essas substancias. Mas enquanto estamos nesse período ficamos totalmente a mercê desse sentimento viciante por isso pesquisadores dizem que o amor vicia como a cocaína.

Ainda contamos com pesquisas descobertas que os sentimentos amorosos levam à supressão da atividade em áreas do cérebro que controlam o pensamento crítico , o cérebro reduz a necessidade de julgar o caráter, a personalidade e as emoções negativas dessa pessoa, com isso não vemos os defeitos e nem desconfiamos da pessoa amada. Daí dizemos que o amor é cego.

Tudo perfeito não? Mas e depois desse período?

Bom depois que o organismo fica resistente a essas substâncias a paixão acaba, é quando passamos a ver a pessoa amada de maneira mais “normal”, como qualquer outro ser humano passíveis de erros e acertos, quando percebemos o que era ilusão e arrebatamento, onde se identifica se o que sentimos é realmente amor ou não, quando esse amor perdura ele se habitua as transformações e se completa no companheirismo, afeto e tolerância permanecendo juntos, ou separam-se.

Agora vamos a parte “triste” do Amor......

E as pessoas consideradas doentes de amor?

Psiquiatras afirmam que pessoas que demonstram padrão de comportamento obcecados por amor, sofrem de distúrbio obsessivo-compulsivo , paixão e psicose obsessivo-compulsivo. Lembram que falei sobre a Serotonina? Quanto mais baixo os níveis de serotonina mais fixação você tem pelo ser Amado.

E toda a dor e tristeza quando nos separamos do ser Amado?

Quando nos separamos de quem amamos, quando nos deparamos com o desmoronar de nossas ilusões,temos um sofrimento imenso que está associado a falta de endorfina (dopamina e feniletilamina), como disse antes endorfina vicia (mas ser viciado pela felicidade é bom não é mesmo) ou seja estamos na Síndrome de abstinência de endorfina.

"Uma separação pode afetar o corpo de tal forma que o rompimento de um relacionamento muitas vezes ocasiona doenças", diz o psiquiatra Thomas Lewis

E onde fica o lado emocional, os sentimentos?

Bom não se esqueçam que tudo age em função do emocional, você pode se sentir atraído por alguém e não querer se relacionar com ela, com isso o cérebro se restringirá e não produzirá essas substâncias em altas doses.

Concluindo.....

Vimos que aquela frase “Rola uma química entre a gente” é mesmo verdadeira.

Que fazer “loucuras em nome do amor” tem uma explicação científica.

Que foi comprovado que no estágio da paixão “O Amor é Cego” mesmo.

Que o Amor Romântico vicia como a cocaína e que necessitamos dele como da água ou comida.

Que podemos adoecer sim por amor.

"Hoje sabemos que as experiências são cruciais para um desenvolvimento saudável do sistema nervoso", . E o amor está com toda a certeza entre as mais significativas das experiências.

"Amor, ou a falta dele, pode mudar seu cérebro para o resto da vida", diz o psiquiatra Thomas Lewis.

Espero que tenham gostado da matéria, abaixo coloco a fonte bibliográfica de minhas pesquisas para caso vocês se interessem pelos detalhes mais técnicos.

(Matéria de Nilma Soares – Terapeuta Holística)

BARRA ROSA BRANCA

Bibliografia:

http://linoresende.jor.br/os-efeitos-da-paixao/

http://www.minhavida.com.br/conteudo/5188-Amor-desativa-o-senso-critico-do-cerebro.htm

http://www.sistemas.aids.gov.br/imprensa/Noticias.asp?NOTCod=57570

http://boasaude.uol.com.br/Lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=3218&ReturnCatID=1781

http://super.abril.com.br/superarquivo/2003/conteudo_299302.shtml

http://www.diarioweb.com.br/noticias/imp.asp?id=78092

http://www.spq.pt/boletim/docs/boletimSPQ_100_047_28.pdf

"Porque Amamos: a Natureza e a Química do Amor Romântico" (H.E. Fisher, Why We Love: TheNature and Chemistry of Romantic Love, Henry Holt and Company, New York, 2004)

Cindy Hazan, professora da Universidade Cornell de Nova Iorque.

BARRA ROSA BRANCA

Quer uma imagem personalizada? Encomende chris.haydu@gmail.com

5 de abril de 2010

Reflexos Sobre a Saúde

saúde

Para falar em saúde temos que analisar um contexto geral de nossa vida, das nossas emoções, das nossas vontades, das nossas contraiedades, da nossa alimentação, do nosso estilo de vida, da influencia que o externo tem no nosso dia a dia , nos nossos hábitos e em nossos sentimentos.

É impossível dizer que todos os dias estamos plenamente bem em todos os sentidos, mas devemos observar o que nos agride e nos força a natureza a agir de maneira contrária, para podermos aceitar aquilo que podemos adaptar em nós e tomar atitudes que mudem aquilo que não podemos conviver.

Toda situação vivida gera uma emoção e toda emoção carrega o organismo de substâncias que geram bem ou mal estar no nosso corpo, um exemplo claro disso é quando passamos por um stress muito grande descarregamos no organismo adrenalina que é um hormônio e um neurotransmissor gerando um aumento dos batimentos cardíacos, metabolização e respiração. É um estimulante natural que deixa nosso organismo turbinado pra enfrentar qualquer situação de perigo ou alerta.

Da mesma forma acontece com todas as outras emoções que sentimos, cada uma tem uma ação diferente em nosso organismo. Por isso quando nossa saúde fica abalada devemos analisar nossos sentimentos e emoções e atuar sobre eles para buscar o equilibrio e se curar.

Claro que estamos sujeitos a virus, bactérias e outras coisas que provocam doenças, mas devemos nos lembrar também que nosso organismo tem um sistema de defesa que luta contra esses males, e que se somos atingidos por eles é porque algo desequilibrou esse sistema de defesa.

E isso se deve a um conjunto de situações como uma alimentação inadequada, vida sedentária e emoções não trabalhadas, causando assim um desequilibrio no organismo e no sistema de defesa.

Em minhas pesuisas encontrei um texto do Drauzio Varela que fala sobre isso e que resolvi dividir com vocês.

“FALE DE SEUS SENTIMENTOS, TOME DECISÃO, SE ALIMENTE CORRETAMENTE….

Se não quiser adoecer -“TOME DECISÃO”. A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia. A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história Humana é feita de deciões. Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros. As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer - “BUSQUE SOLUÇÕES”. Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.

Se não quiser adoecer - “NÃO VIVA DE APARÊNCIAS”. Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho, etc… Está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer - “ACEITE-SE”. A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.

Se não quiser adoecer - “CONFIE”. Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.

Se não quiser adoecer - “NÃO VIVA SEMPRE TRISTE”. O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa. A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. “O bom humor nos salva das mãos do doutor”. Alegria é saúde e terapia. (Drausio Valera)

Matéria de Nilma Soares

16 de março de 2010

PERSONALIDADE ANTI-SOCIAL E PERSONALIDADE SOCIAL


Personalidade anti-social


Atributos:


1- A pessoa só fala em termos de generalidades muito amplas. Ex: Todo mundo pensa.....Todo mundo sabe....... Todo mundo diz......(não assumir)

2- A pessoa lida principalmente com más notícias, observações críticas ou hostil, invalidação e supressão em geral. Ex: A pessoa sempre se refere a algo de forma negativa.

3- Ao transmitir uma mensagem ou notícia, a personalidade anti-social altera a comunicação para pior. Ex: Dá desculpas para justificar uma atitude ou situação.

4- Não reage a tratamento ou reabilitação. Ex: pessoa que muda um comportamento apenas momentaneamente.

5- A pessoa anti-social habitualmente escolhe o alvo incorreto. Ex: Se A é a causa óbvia, a personalidade anti-social culpa inevitavelmente B, C ou D.

6- O anti social não é capaz de terminar um ciclo de ação. Ex. A pessoa fica cercado de projetos inacabados.

7- Quando forçadas, muitas pessoas anti-sociais confessam abertamente seus erros mais alarmantes, mas o fazem sem um mínimo de senso de responsabilidade por esses erros. Ex. Não tem senso correto de causação e por esse motivo, são incapazes de sentir remorso ou vergonha.

8- Este tipo de personalidade só aprova ações destrutivas e luta contra as ações ou atividades construtivas ou de ajuda. Ex. Se faz amigo mas envenena o outro contra qualquer atividade da pessoa onde tenha a intenção de ajudar os outros, com termos do tipo: estão abusando de você, ninguém te valoriza, você ainda vai se arrepender por fazer isso por tal pessoa.

9- O anti social só se envolve em atividades onde ele mesmo tenha alguma vantagem, ou onde ele pode se sobressair. Ex: Egoísmo e ser reconhecido.

10- Essa pessoa tem mal senso de propriedade. Ex. pessoas que lesam as empresas em nome de complemento de salário, ladrões, pessoas que exploram outras financeiramente.


A Razão Básica:


A razão básica do comportamento da personalidade anti-social reside num medo oculto dos outros.

Para eles toda pessoa é um inimigo a ser eliminado aberta ou encoberta mente. Por isso teen pavor de confiar em alguém.

Inconscientemente para eles a própria sobrevivência depende de manter os outros para baixo ou manter as pessoas na ignorância.

A lista acima é constituída de atitudes que esta personalidade não consegue detectar em si mesma.

A auto crítica é um luxo que o anti social não se pode dar.

Eles tem que ter sempre a razão, porque se sentem o tempo todo em perigo.

Se você demonstrar a um deles que não está com a razão é possível que o deixe gravemente doente.


Personalidade Social:


Atributos:


1- A pessoa é específica em relatar circunstâncias. Ex: Tal pessoa disse isso, ou fez aquilo.....

2- A pessoa anseia por transmitir boas notícias. Ex. Faz com que a outra pessoa se sinta encorajada, apreciada e querida, então pouco critica.

3- A personalidade social transmite a comunicação sem muitas alterações. Ex: Se preocupa em não ferir os sentimentos das pessoas e expõe as situações como elas são sem ficar dando desculpas para justiçar suas atitudes.

4- Tratamento e reforma funcionam muito bem com a pessoa social. Ex: Qdo chamados a razão para uma atitude indesejada, elas mudam de comportamento.

5- A personalidade social tem tendência a selecionar os alvos corretos para corrigir. Ex: Se seu problema é com o indivíduo A, resolve com o mesmo.

6- A pessoa normalmente completa os ciclos de ação. Ex. Se começa um curso o termina.

7- A pessoa tem vergonha de suas más ações. Ex: Assume responsabilidade sobre seus erros.

8- A personalidade social apóia ações construtivas e de ajudas ao próximo. Ex: incentivando a pessoa, mostrando os resultados positivos das ações em prol dos que ajudou.

9- A pessoa se envolve em projetos de ajudas ao próximo e opõe-se a atos que os prejudiquem.

10- A pessoa tem total senso de propriedade. Ex: A propriedade é propriedade de alguém e ela evita ou desaprova seu roubo ou abuso.


A Motivação Básica:


A personalidade social opera com base no bem maior.

Reconhece os inimigos reais quando existem.

Quer sobreviver e quer que os outros sobrevivam.

Reconhecimento


É importante reconhecermos as personalidades anti-sociais e sociais para não vivermos na incerteza de quem é nosso inimigo e sacrificar nossos amigos. Pois assim evitá-se “abater” o inocente por mero preconceito, antipatia ou por um mal comportamento momentâneo.

Os motivos pessoais do anti-social e do social são semelhantes: Auto-preservação e Sobrevivência, só que tentam consegui-los de formas diferentes. São as suas motivações e as conseqüências de seus atos que distinguem o anti-social do social.


Não existe em toda humanidade um só ser humano perfeito. Mas sim existem os que tentam agir bem e os que se especializam no mal e, baseado nestes fatos e características, podemos reconhecê-los.


Texto extraído e adaptado por Nilma Soares(Supressão - L. Ron Hubbard.)

4 de fevereiro de 2010

FIBROMIALGIA


O Termo Fibromialgia significa dores nos músculos, afetando também os ligamentos e tendões. Vista como Síndrome Dolorosa Crônica. Essa doença acomete principalmente as mulheres entre 30 e 50 anos. Os principais sintomas associados à Fibromialgia são dor difusa e generalizada pelo corpo, fadiga, rigidez matutina, alterações do sono.


A Fibromialgia na Metafísica: a pessoa sente-se extremamente arrependida por ter sido omissa nas situações passadas, vítima da falta de apoio e da consideração dos outros. Foi displicente com as necessidades próprias para atender às solicitações alheias; arrepende-se por ter feito para os outros aquilo que deveria ter feito para si mesma. Encontra-se angustiada por não ter tomado as medidas cabíveis que mudariam todo o curso de sua vida. Esses sentimentos corroem a pessoa comprometendo a capacidade de atuar na realidade presente e impedindo-a de alterar os acontecimentos desagradáveis.


Ela imagina que, se tivesse agido de outra maneira, as coisas não estariam tão confusas. No passado houve muitas chances, mas ela não contava com o incentivo daqueles que estavam a sua volta. Por isso não assumiu uma conduta diferente, fazendo o que era necessário naquela época. Sem apoio, não teve força para agir. Hoje não se conforma por ter se omitido tanto e ter delegado poder a quem não fez jus à confiança depositada nela.


O que essas pessoas precisam compreender é que não tinham firmeza suficiente para encarar uma situação e atuar nela sozinhas, pois não contavam com a colaboração dos outros. Não eram independentes, nem determinadas para ousar proceder de maneira contrária àquilo que era estabelecido no meio em que viviam.


Sentiam-se culpadas quando tinham de desagradar alguém ou não podiam atender aos caprichos dos outros.


A atitude de se autocondenar com as cobranças é tomada porque a pessoa não leva em consideração seus próprios limites daquela ocasião, pois ela não era madura o suficiente para um confronto com algo tão radicalizado na realidade ou com alguém de grande expressão no ambiente.


Com o passar do tempo e o amadurecimento que soma experiências acaba tomando as rédeas da própria vida, promovendo mudanças e experimenta a agradável sensação do poder sobre o próprio destino. É ai que começa a avaliar e se torturar com pensamentos como “Por que só agora?”, “Quanto tempo perdido!”, “ Como fui ingênua em ter acreditado nos outros!”


Essas atitudes, em vez de fortalecer a pessoa e beneficiar sua nova condição de vida, ao contrário, enfraquecem-na. Esses pensamentos vão minando as forças de atuação no presente, dificultando recuperar tudo que foi perdido e impossibilitando a conquista de resultados promissores na vida profissional e afetiva.


Este estado interior se intensifica a ponto de se tornar uma condição dolorosa, desencadeando o processo somático em forma de Fibromialgia.


Lembre-se: tudo ocorre no momento oportuno; nunca é tarde para agir e mudar o curso de nossa existência.


Há certas atitudes que são extremamente importantes, como fazer aquilo que gosta e que realmente dá prazer.


Texto extraído do livro Metafísica da Saúde Vol. 3(Valcapelli & Gaspareto)